Yesterday by Iel

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Reciclagem



Mais um aniversário com festejos em meu coração
Intimamente lhe acordo com aquela canção
Vejo seu sorriso lindo em meu pensamento
E enfrento o dia assim como você fazia
Abraço outros braços para sentir que são seus
Acredito na força da natureza e assim me reciclo
Acho que outras criações representam você
Você nasce novamente assim como as borboletas
A vida continua assim linda como sempre foi
Porque acredito que seu espírito está aqui
Bem vivo, bem presente e bom como nasceu para ser

A vida não é para o desperdício!
Recycling

Another birthday with celebrations in my heart
I intimately wake you up with that song
I see your beautiful smile in my thoughts.
And I face the day just like you did.
I embrace other arms to feel that they are yours
I believe in the strength of nature and so I recycle
I think other creations represent you
You are born again just like butterflies.
Life goes on as beautiful as it always has been
Because I believe your spirit is here.
Well alive, well present and good as born to be.

Life is not for waste!

domingo, 20 de agosto de 2017

Machucada Sou

A saudade machuca
Machucada sou
Vivo tentando um remédio
Buscando uma formula
Esperando sarar
Como remédio me dedico ao trabalho
A fórmula que encontrei é aproveitar o agora
Com quem tenho hoje
Continuo esperando a sarar
E sei que sarar não é para esse plano
Lágrimas são inevitáveis
Sorrir é sempre um bom paliativo
Cultivo novos projetos
As vezes com um uma lágrima
E um sorriso no rosto
Mas meu filho lindo está sempre em meu coração

Então, me conformo.

Injured I do live

Longing hurts
Injured I do live
I'm trying to get a medicine.
Searching for a formula
Waiting to heal
Working hard is my medicine
The formula I found is to take advantage of the now
With whom I have today
I'm still waiting to heal
And I know that healing is not for this plan.
Tears are inevitable
Smiling is always a good palliative.
I cultivate new projects
Sometimes with a tear
And a smile on my face
But my beautiful son is Always in my heart.
So, I am OK


quinta-feira, 27 de julho de 2017

Ah o tempo... oh espaço!


No tempo de criança eu morava em uma cidade tranquila
Andava de bicicleta sozinha e passeava despreocupada pelas ruas
Nossa casa parecia enorme e nossa rua era o mundo

Quando cresci começaram os desafios
Eu queria de volta aquele tempo
Tinha um novo espaço, novos amigos

Cada espaço e cada tempo tinha sua beleza
Mas muitas vezes sentia falta da despreocupação
Do tempo inocente e do espaço primeiro

Vieram as conquistas em um novo tempo e um novo mundo
E com elas, mais trabalho e responsabilidades
Mas também vieram os novos amores.
Tanta dedicação e preocupação era meu troféu
E era enorme a alegria de poder andar de tremzinho
Ensinar a andar e depois a pilotar bicicleta

Agora tenho muita saudade desse tempo
Dos parques que frequentávamos
Dos passeios que fazíamos...

Ah tempo... Oh espaço
Queria poder domar vocês
Queria misturar os dois do jeito que quisesse
Trazer de volta e em um passe de mágica desfazer
Queria naquele tempo ter a sabedoria que tenho
Queria agora não ter a bagagem de dor que carrego
Queria meu filho neste espaço, neste tempo.
Mas pensando bem me sinto privilegiada
Fui presenteada durante esse caminhar
Sinto saudade... Muita saudade...

Mas o tempo é agora e aqui.

Ah the time ... oh space!


When I was a child I lived in a quiet town
I used to ride my bike and walked untroubled by the streets.
Our house looked huge and our street was the world

When I grew up, the challenges began.
I wanted back that time
Had a new space, new friends

Each space and time had its beauty
But often I missed the lack of concern
From innocent time and space first

The achievements came in a new time and a new world
And with them, more work and responsibilities
But also came the new loves.
So much dedication and concern was my trophy
And the joy of being able to ride a train was great.
Teach to walk and then how to ride a bike

I miss this time so much
From the parks we used to go to
Of the tours we did ...

Ah time ... Oh space
I wish I could tame you
I wanted to mix the two the way I wanted
Bring back and in a magic undo pass
I wanted at that time to have the wisdom that I have now
I wanted now not to have the baggage of pain that I carry
I wanted my son in this space, at this time.
But I think I feel privileged
I was presented during this walk
I miss you... so much miss you...
But the time is now and here.


sábado, 17 de junho de 2017

O Livro Verde

O livro verde

Hoje vi depois de longos anos aquele livro.
O livro verde que meu pai insistia em me fazer ouvir e ler todas as lições de inglês. Comecei a ver o livro de uma capa dura e verde aos 10 anos após tirar uma nota bem baixa em inglês. Logo inglês, a língua que o meu pai queria tanto que eu aprendesse!
Mas aprendi. Li tantas e tantas vezes que sei de cor, ainda hoje, todos os capítulos
Muitas vezes tive raiva do livro da capa verde:
Ele me furtava de brincadeiras e de momentos alegres na calçada da Almirante Barroso e algumas vezes me impediu de assistir programas favoritos. Meu pai estava ali sempre com o livro verde ao voltar do trabalho.
Era uma espécie de ritual, ele chegava, levava a mamãe para o trabalho em uma escola onde lecionava, depois tomava banho, tomava a sopa e pegava o livro para juntos, eu e ele, ouvirmos e depois lermos.
Quando eu ia dormir, meu pai costumava colocar fones com gravações das aulas do livro para eu continuar ouvindo mesmo após adormecer. Após alguns minutos, acho, ele desligava o gravador.
Não é à toa que sei todas as lições de cor. Também não é de se admirar que eu tenha tido desde pequena facilidade de falar a língua. Aos 13 resolvi ensinar aos coleguinhas do bairro
Aulas de inglês grátis, coloquei orgulhosa na placa do lado de fora de nossa casa. Fiz da garagem nossa sala de aula que tinha boa frequência.
Aos 14 meu pai contratou um professor americano juntamente com outros dois colegas de trabalho e me levava junto para essas aulas. Mesmo assim à noite nos dias que não tinha aula ouvíamos os áudios do livro verde.
Aos 15 tentei ir aos Estados Unidos, passei em uma seleção para intercâmbio mas meus pais não permitiram, tiveram receio de me mandar e eu fiquei aqui frustrada. Afinal, pensei, todo estudo no livro verde de nada serviria.
Aos 16 conheci uma irmã americana que veio ao Brasil e de quem me tornei inseparável. Amava conversar com ela em inglês e praticar com ela o que havia aprendido no livro. Mas em pouco tempo ela só queria falar português. Afinal ela estava no Brasil e queria aprender a língua.
Para ganhar algum dinheiro por aqui ela começou a ensinar em um curso de inglês e dava aulas particulares. Em pouco tempo tinha tantos alunos que passou alguns alunos para mim.
Depois que ela voltou para os EUA eu tinha cada vez mais forte a certeza de que iria morar lá.
Fiz seleção e passei a dar aulas em curso de inglês com o propósito de poupar para a viagem tão sonhada. Juntei dinheiro, casei e viajei pelos Estados Unidos por quase dois meses, fui de norte a sul e de leste a oeste. Mas não era o bastante. Queria morar e vivenciar o que li no livro de capa verde.
Me graduei em economia e após o mestrado resolvi, estimulada mais uma vez pelo meu pai,
que eu deveria fazer doutorado nos Estados Unidos. Tentei Stanford para ficar próximo à minha irmã americana mas consegui Illinois que me havia sido indicada por amigos. Passei quatro longos anos com marido e filhos morando no Estado de Illinois.
E lá recebi, pelo menos três vezes a visita de meus pais. Voltei com o diploma de Ph.D. na mão.
Sempre achei que vencer um desafio significava alcançar a vitória. Não é! Vitória tem um sentido multidimensional.
Em algumas dimensões ganhei mas em outras, as que realmente importam, eu perdi.
Por isso o livro verde é muito importante. Ele me levou a conquistar o que tanto queria e essa conquista fez com que meus filhos conhecessem mais do que seu conteúdo. Mas principalmente, ele me remete a lições que ficaram para sempre tatuadas em minha alma e em meu coração, me remete a um tempo em que o livro da minha vida, verde em esperança, estava apenas nas primeiras páginas.
As páginas fluíram.  Conheci, amores, romances, dramas e tragédias.
Tudo ficou em mim e levo comigo, no meu pensamento, para onde eu for.
Sempre com esperança! A esperança em milagres como o que me foi concedido hoje.
Graças ao Deus do impossível!

The Green Book


Today I saw that book after many years.
The green book my father insisted on making me hear and read all English lessons. I began to see the book in a hard green cover at age 10 after taking a very low grade in English. Yes English, the language my father wanted so much for me to learn!
But I learned. I have read so many times that I know by heart, even today, all the chapters
I have often been angry with the green cover book:
He stole me from jokes and merry moments on the sidewalk of Admiral Barroso Street and sometimes prevented me from watching favorite shows. My dad was always there with the green book coming home from work.
It was a kind of ritual, as soon as he arrived home would take my mother to work in a school where she taught, then would took a shower, had soup and take the book and me and him, together, would listen and then read.
When I was already in bed to sleep, my father used to ask me to put headphones with recordings of the book's class so I could continue to listen even after falling asleep. After a few minutes, I think, he would turn the recorder off.
No wonder I know all the lessons by heart. Nor is it any wonder that I have had facility of speaking the language. At 13 I decided to teach the neighborhood students
*Free English Classes*, I placed proudly on the board outside our house. I made the garage our classroom that had good attendance.
At 14 my father hired an American teacher along with two other co-workers and took me to these classes together. At night when we did not have the english classes, we used to listen to the audios of the green book.
At 15 I tried to go to the United States, I wanted to go as na Exchange student but my parents did not allow it, they were afraid to send me and I was frustrated here. After all, I thought, all the study in the Green Book would worth nothing.
At 16 I met an American sister who came to Brazil and from whom I became inseparable. I loved talking to her in English and practice with her what I had learned in the book
But in a short time she just wanted to speak Portuguese. After all, she was in Brazil and wanted to learn the portuguese.
To earn some money here she started teaching in an English course and gave private lessons. Before long she had so many students that she gave me some students to teach.
After she returned to the US I was sure that I would live there.
I made the selection and began to teach in an English course in order to save Money for the trip so dreamed up. I saved money, got married, and traveled through the United States for almost two months, I went from north to south and from east to west. But it was not enough. I wanted to live and experience what I read in the green book.
I graduated in economics and after the master's degree I decided, stimulated once again by my father, that I should do my doctorate in the United States. I tried Stanford to stay close to my American sister but I got Illinois that I had been suggested by friends. I spent four long years with husband and children in the State of Illinois.
And there I received, at least three times, the visit of my parents. I came back with my Ph.D. degree in hands. I always thought winning a challenge meant victory. It is not! Victory has a multidimensional sense.
In some dimensions I won but in others, the ones that really matter, I lost.
That's why the Green Book is very important. He led me to conquer what I wanted and this conquest made my children know more than its content. But most importantly, the green book reminds me of lessons that have been forever tattooed on my soul and my heart, it brings me back to a time when the book of my life, green in hope, was only on the front pages.
The pages flowed. I met, loves, romances, dramas and tragedies.
Everything stayed in me and I take with me, in my thoughts, wherever I go.
Always with hope. The hope in miracles like the one I was granted today.

Thanks to the God of the impossible!

domingo, 4 de junho de 2017

Transformation



I have already discredited God
But when I saw you, I believed
You were a gift, a work of God
Thanks to you, my son, I believe
And faith makes me follow, strengthens me
Today I know that the immense God who made you
Saves us from something always worse.
Proposes us a mission
Supports and consoles us
I accept what I went through and I feel
I take and appreciate what
Life shows me
I do not reject awards
Although I know that greater Ward than

a son will never have again!

Transformação



Já desacreditei em Deus
Mas quando vi você, acreditei
Você foi um presente, uma obra de Deus
Graças a você, meu filho, acredito
E a fé me faz seguir, me fortalece
Hoje sei que o Deus imenso que fez você
Nos poupa de algo sempre pior
Nos propõe uma missão
Nos apoia e consola
Aceito o que passei e sinto
Aproveito e aprecio o que
A vida me apresenta
Não rejeito prêmios
Embora saiba que prêmio maior do
Que um filho, jamais terei!

Obs: Quem quiser participar do grupo de mães no whatsapp entre em contato comigo: Eveline (85)996607400


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Every mother is a risk lover.


Being a mother means taking risks
Risk of not being able to maintain pregnancy
Risk of dying at childbirth
Risk of having an unhealthy child ...

Being a mother is also to accept certainties
Certainties that take her out of the comfort zone
As to spend sleepless nights
Worry about diseases
Teach and care always
Even if the child does not want to

But this, all mothers already knows and accepts
The challenge is the risk
Risk of suffering
Risk of facing what was not wanted
And the biggest of them all: the risk of presencing the departure

This is indescribable
And represents the greatest pain anyone can experience.
Even so the prize of having a child is so great
That any risk compensates
To have a son or a daughther is to obtain enormous grace
So we deserve congratulations, forever

domingo, 14 de maio de 2017

Toda mãe é amante de risco



Ser mãe é assumir riscos
Risco de não conseguir manter a gravidez
Risco de morrer no parto
Risco de ter um filho não saudável...

Mãe também aceita certezas
Certezas que a tiram da zona de conforto
Como passar noites em claro
Se preocupar com doenças
Ensinar e cuidar sempre
Mesmo quanto o filho não quer

Mas isso mãe já sabe espera e aceita
O desafio é o risco
Risco de sofrer
Risco de ver o que não queria
E o maior de todos: o risco de vê-lo partir

Isso é indescritível
E representa a maior dor que alguém pode experimentar
Mesmo assim o prêmio de ter filho é tão grande
Que qualquer risco ou previsão compensa
Ter filho é obter enorme graça
Por isso estamos e estaremos sempre de parabéns




sábado, 15 de abril de 2017

Sábado de Aleluia!


Obrigada senhor pela esperança
Que virou certeza
Obrigada pelo alento e pela força
Não sabia que teria
Nada há de mais importante do que confiar em tua promessa
Que o senhor nos dê a paz sempre
Hoje são 5 anos mas a partida de nosso filho
Não se mede com o tempo
A saudade é infinita e o amor também
Por isso te agradeço tanto,
Com sua dor Você mostrou que devemos aceitar o sofrimento
Que cada um de nós tem uma missão
A nossa missão foi carregar essa saudade para sempre

E transformara dor em amor que se espalha

Saturday of Hallelujah!


Thank you God for the hope.
That turned certainty
Thank you for your encouragement and for your strength.
I did not know that I would have
Nothing is more important than trusting in your promise
May you always give us peace.
Today is 5 years but the departure of our son
We can not measure with time
Longing is infinite and love too
That's why I thank you so much,
With your pain You have shown that we must accept suffering
That each of us has a mission
Our mission was to carry this longing forever

And transformed pain into love that spreads

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Ser Sábio



Não é ter Ph.D.
Nem é ser reconhecido como gênio
Não é ter livros publicados
Nem seguidores no face
Não é entender tudo
Nem ter memória invejável
Não é saber várias línguas, conhecer vários países
Nem é domar e propor fórmulas matemáticas
Descrições algébricas ou programações complexas

Mas é ser querido simplesmente
Ser boa companhia, ser amigo
É aceitar o que não pode ser mudado
E tentar contribuir sempre qualquer que seja a sua condição
É ser autêntico,
Reconhecer erros, driblar defeitos
Amar incondicionalmente,
Olhar nos olhos e captar o que outros precisam
E ficar saciado com o simples que está por perto.
Assim se enxerga o longe
Que na verdade está no hoje

Meu anjo me ajudou a descobrir

Mas demorei muito...

Be wise



Is not having a Ph.D.
Neither is being recognized as a genius
It is not having books published
Or followers on the internet
It's not understanding everything
Neither having a remarkable memory.
It is not knowing several languages or knowing several countries
Neither is taming and proposing mathematical formulas
Algebraic descriptions or complex programing

But it's simply be wanted
Be a good company, be a friend.
Is accepting what can not be changed
And to try to contribute always whatever your condition
It is be authentic,
Recognize mistakes, circumvent defects
Love unconditionally,
Is to Look into the eyes and capture what others need
And get sated with the simple that is around.
That's how far you can see
What is actually in today

My angel helped me figure it out
But it took me a long time ...


sábado, 18 de março de 2017

Deus do Impossível


Ontem sonhei com meu filho.
Fazia algum tempo que isso não acontecia
Sonhei que ele havia nascido
Por isso o sonho era lindo e só euforia

Quando acordei, imediatamente recordei
E ao lavar meu rosto rolou uma lágrima
No meu pensamento veio um pedido
Um pedido a Deus de nunca mais sonhar assim
É duro acordar para a realidade
Resolvi não contar para ninguém sobre o sonho

Mais tarde, ao meio dia, minha irmã me ligou
Ela me convidou para almoçar para comemorar 
os nove meses de transplante da minha amada sobrinha
Ela renasceu!!!

Me lembrei do sonho e após vários outros pequenos sinais
Tive a certeza que meu filho de alguma forma
Vive em minha sobrinha, minha filha.
Acredito nisso  porque acredito em Deus:
O Deus do impossível!


God of the impossible


Yesterday I dreamed about my son.
It had not happened for some time
I dreamed that he was born
So the dream was beautiful and only euphoria

When I woke up, I immediately recalled
And while I was washing my face rolled a tear
In my thinking came a request
A request to God to never dream like this again
It's hard to wake up to reality.
I decided not to tell anyone about the dream

Later, at noon, my sister called me.
She invited me to lunch in order to commemorate
the nineth month of transplantation
of my beloved niece
She was reborn !!!

I remembered the dream
and after several other small signs
I was sure that my son somehow
lives in my niece, my daughter.
I believe that because I believe in God:
The God of the impossible!



quinta-feira, 9 de março de 2017

Janela Azul



Naquela tarde de um dia ensolarado liguei para
Meu filho de Valetta, na ilha de Malta
Falei que estava com uma estátua na mão
De cruzados que iria presenteá-lo
Ele gostava de guerreiros e sempre foi um deles

Hoje soube que a linda janela de pedras,
a janela azul, em Malta
Se foi em um passe de mágica
A natureza criou ao longo de anos
E uma onda destruiu em minutos
Meu filho é como a janela azul
Que a natureza também criou
 e uma onda destruiu em minutos

Uma vez meu amado pai, um homem
Sábio e de fala eloguente ao adoecer,
Pouco antes de sua partida, disse
Uma frase que me marcou:
A natureza humilha a gente.

Parece que sim. Ele estava certo.
A natureza enaltece por sua beleza,
Imensidão e robustez
A mesma robustez que rouba e humilha
Ao destruir e tirar com sua força

Assim a natureza deixa um misto
De admiração e revolta
Mas de que adianta a revolta?
A natureza continua seu curso
E a, vida de tudo e de todos,
Continua a ter início, meio e

Fim. Só o amor não tem fim!

Blue window



That afternoon on a sunny day I called
My son from Valetta, on the island of Malta
I said I had a statue in my hand.
Of Crusaders that I Would Present Him
He liked warriors and always was one of them.

Today I knew that a beautiful window of stones,
The blue window in Malta
was gonne as on a magic pass
What nature created over the years
A wave destroyed in minutes
My son is like the blue window
That nature has also created
And a wave destroyed in minutes

Once my beloved father, a wise and gooodhumored man,
Told me when he falled ill,
Just before his departure, 
A phrase that marked me:
Nature humiliates us.

It seems so. Was he right.
Nature exalts for its beauty,
Immensity and robustness
The same sturdiness that humiliates
By destroying and taking away with its strength

So nature leaves a mix
Of admiration and revolt
But the rebellion for what? No use.
Nature Continues Its Course
And the life of everything and everyone.
Has beginning, middle and

End. Only love has no end!