Yesterday by Iel

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Uma tragédia sim, mas a fé acalenta hoje e promete o amanhã!



Recebi através de um grupo de whatsApp uma mensagem que transcrevia um artigo de jornal. Esse artigo afirmava, entre outras coisas, que um rapaz morrer em um acidente de moto ou alguém receber o diagnóstico de uma grave doença, por exemplo, não seriam tragédias já que coisas assim acontecem todos os dias.

Minhas amigas do grupo aplaudiram. Contudo, tecnho certeza que para a mãe desse rapaz que morreu no acidente de moto ou dessa pessoa que recebeu a notícia da doença esses fatos são tragédias.

Tragédia é um fato real muito ruim que aconteceu e nunca será esquecido. E nós bem sabemos o que é isso. O que aconteceu com nossos filhos foi de fato uma tragédia em nossas vidas.

No mesmo artigo o autor afirma que a vida é um emaranhado de coincidências e acasos. Nisso também não posso concordar. Isso é o mesmo que dizer que Deus não existe. Se assim o fosse outra tragédia ocorreria pois não haveria esperança nem consolo nós.

Mas concordo que a vida é hoje, que não devemos ficar aguardando dias melhores para a realização nem deixar de se aproximar da família em nenhuma hipótese.

Me lembro que quando nosso filho ainda estava fisicamente aqui eu muitas vezes fui para o trabalho escutando no rádio do carro `The long and Winding Road` e algumas vezes chorava e me perguntava porque. Será que estava antecipando uma tristeza próxima ou eu ficava triste por não ter motivo para tristeza? Perda de tempo.

Temos missões a cumprir e quando a nossa é concluída, e nunca sabemos quando isso acontece, podemos partir a qualquer momento e viver em paz e felicidade em outro plano, como Jesus prometeu. Mas enquanto isso não acontece viver e aceitar nossa tragédia é a maior sabedoria. Sempre guardando a fé!


Yes, a tragedy, but faith lulls today and promises tomorrow!



I received through a group of whatsApp a message that transcribed a newspaper article. This article stated among other things that a young man who dies in a motorcycle accident or a person who is diagnosed with a serious illness, for example, would not be tragedies since things like this happen every day.

My friends in the group applauded. However, it is certain that for the mother of this boy who died in the motorcycle accident or that person who received the news of the disease, these facts are tragedies.

Tragedy is a very bad real fact that happened and will never be forgotten. And we well know what that is. What happened to our children was in fact a tragedy in our lives.

In the same article the author states that life is a tangle of coincidences and accidents. I can not agree with that either. That is to say that God does not exist. Believe that would be another tragedy as if that was true there would be no hope or consolation.

But I agree that life is today, that we should not wait for better days for the realization nor cease to approach the family in any hypothesis.

I remember when our son was still physically here I often went to work listening to the radio on the car `The Long and Winding Road` and sometimes I cried and wondered why. Was it anticipating a near sadness or was I sad because I had no cause for sadness? Waste of time.

We have missions to fulfill and when ours is completed, and we never know when this happens, we can leave at any moment and live in peace and happiness on another plane, as Jesus promised. But while it does not happen to live and accept our tragedy is the greatest wisdom. Always keeping faith!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Uma Lenda Real


Uma matéria publicada no The Guardian em 14 de abril de 2017, do renomado teólogo e filósofo Simon Gathercole da Universidade de Cambridge  (https://www.theguardian.com/world/2017/apr/14/what-is-the-historical-evidence-that-jesus-christ-lived-and-died) fala sobre as provas de que Jesus realmente viveu e de que não é uma lenda. O texto ´Qual é a evidência histórica de que Jesus Cristo viveu e morreu?` inicia afirmando que ainda antes de seu martírio Jesus é mencionado por historiadores romanos e judeus em dezenas de escritos de forma detalhada. O primeira escrita data do ano 25 depois de Cristo e o escrito com mais detalhes é do ano 40 depois de Cristo, quando varias testemunhas ainda estavam vivas e viviam subjugados ao romanos.
O primeiro autor não Cristão que falou de Jesus foi Flaviius Josephus que escreveu a história do judaísmo por volta de 93 depois de Cristo. Ele registrou algo que não deixa dúvidas sobre a existência de Jesus: ´Agora havia nesse tempo, Jesus, um homem sábio, se é que é lícito chamá-lo de homem, pois ele era um fazedor de obras maravilhosas, um professor de homens que receberam a verdade com prazer. Ele atraiu para ele tanto judeus como muitos gentios. Ele era o Cristo; e quando Pilatos, por sugestão dos principais homens entre nós, condenou-o na cruz, aqueles que o amaram não o abandonaram. Pois ele voltou a aparecer para eles no terceiro dia, como os profetas divinos haviam predito estas e dez mil outras coisas maravilhosas a respeito dele; e a tribo dos cristãos, assim chamada por ele, não está extinta até hoje. (Do livro: Antiquities of the Jews, editora Createspace, 2014).
Os apóstolos que foram testemunhas de suas ações e mensageiros de sua palavra passaram os ensinamentos de Jesus a seus discípulos. Eles tinham convicção do risco de vida que corriam ao propagarem essas mensagens. Apesar disso, o número de seguidores aumentava e eles eram de tal forma obstinados no cumprimento da missão de divulgar a salvação através da palavra de Jesus que não desistiam apesar das perseguições e torturas até a morte de seus companheiros.
De fato, todos os discípulos foram perseguidos e torturados até a morte (com exceção de João que morreu no exílio) por divulgarem Jesus e seus feitos. Não só eles mas também seus seguidores e tais perseguições aconteceram por 300 anos durante o império romano. Ou seja, eles abraçaram a missão de propagar Jesus de forma tão contundente que enfrentaram tudo e entregaram a própria vida em prol desse ideal.
É claro que cada um de nós tem a liberdade de não acreditar ou de seguir outros caminhos e outras crenças mas tudo que Jesus falou e principalmente a sua ressureição é para nós, que experimentamos a dolorosa separação terrena de nossos filhos, motivo de grande esperança e alento.
A ressureição de Jesus foi testemunhada por mais de 500 pessoas além dos apóstolos (1ª. Carta aos coríntios 15,3-9) e é a maior prova de que ele era filho de Deus o que justifica todo o empenho dos seguidores.
É o próprio Jesus que nos promete e assim consola e acalma nossos corações: ´...Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia`(Jo 17,1-5).
Nós temos toda a chance de ressuscitar pois amamos e sempre amaremos nossos filhos e o amor é condição para alcançar a vida eterna: ´... mesmo que eu tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver amor, não sou nada...O amor jamais acabará`(1Cor 13,1-8). Ressuscitaremos e veremos nossos filhos! Isso é um grande motivo para viver, acreditar e agradecer a Jesus.


A Real Legend


An article published on The Guardian,  April 14, 2017, by renowned theologian and philosopher Simon Gathercole of Cambridge University (https://www.theguardian.com/world/2017/apr/14/what-is-the-historical -evidence-that-jesus-christ-lived-and-died) talks about the evidence that Jesus really lived and is not a legend. The text "What is the historical evidence that Jesus Christ lived and died?" begins by stating that even before his martyrdom Jesus is mentioned by Roman and Jewish historians in dozens of writings in detail. The first written date of the year 25 after Christ and the writing in more detail is of the year 40 after Christ, when several witnesses were still alive and they lived subjugated to the Romans.
The first non-Christian author who spoke of Jesus was Flaviius Josephus who wrote the history of Judaism around 93 after Christ. He recorded something that leaves no doubt about the existence of Jesus: "Now at that time, Jesus, a wise man, if it be lawful to call him man, for he was a doer of marvelous works, a teacher of men who received the truth with pleasure. He attracted to him both Jews and many Gentiles. He was the Christ; and when Pilate, at the suggestion of the chief men among us, condemned him on the cross, those who loved him did not forsake him. For he appeared to them again on the third day, as the divine prophets had foretold these and ten thousand other marvelous things concerning him; and the tribe of Christians, so called by him, is not extinct to this day." (From the book: Antiquities of the Jews, publisher Createspace, 2014).
The apostles who were witnesses of his actions and messengers of his word passed the teachings of Jesus to his disciples. They were convinced of the risk of life they were running in propagating these messages. Despite this, the number of followers increased and they were so obstinate in fulfilling the mission of spreading salvation through the word of Jesus that they did not give up despite the persecutions and tortures until the death of their companions.
In fact, all the disciples were persecuted and tortured to death (with the exception of John who died in exile) for spreading Jesus and his deeds. Not only them but also their followers and such persecutions happened for 300 years during the Roman empire. That is, they embraced the mission of propagating Jesus so forcefully that they faced everything and gave their lives for the sake of this ideal.
Of course, each one of us has the freedom not to believe or to follow other paths and other beliefs, but all that Jesus has spoken and especially his resurrection is for us, who experience the painful separation from our children, cause of great hope and courage.
The resurrection of Jesus was witnessed by more than 500 people besides the apostles (1 Corinthians 15: 3-9) and is the greatest proof that he was the son of God, which justifies all the efforts of the followers.
Jesus himself promises us and thus comforts and calms our hearts: "... For I came down from heaven not to do my will, but the will of Him that sent me. And this is the will of Him that sent me, that I should lose none of them whom he gave me, but raise them up at the last day. For this is the will of my Father: that every person who sees the Son and believes in Him has eternal life. And I will raise him up at the last day " (Jn 17: 1-5).
We have every chance to rise again because we loved and will always love our children and love is the condition to reach eternal life: "... even if I had all faith, to the point of transporting mountains, if I have no love, I am not nothing ... Love will never end "(1 Cor 13: 1-8). We will resurrect and see our children! This is a great reason to live, believe and thank Jesus.


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

O Sentido da Vida


Temos inveja das crianças, não pela idade mas porque elas encontram sentido na vida!
Deus tem um plano para cada um de nós assim como todo pai tem um plano para seus filhos e quer vê-los felizes. Mas se e assim é, por que eu sofri a prematura partida do meu filho? É a pergunta que não quer calar. Outra pergunta pode responder: Por que pais mandam filhos para a escola? Eles certamente prefeririam ficar em casa brincando.
Por isso devemos sempre perguntar: O que Deus quer de mim?
Nós carregamos em nós o dom de sermos capazes de ser feliz porque até o que falta faz parte dos planos de Deus.
Se lembra da parábola dos talentos? Talentos é uma moeda que equivale a aproximadamente US$2,000.00 (dois mil dólares), ou seja, mesmo o que recebeu apenas 1 talento recebeu muito! Sentido: devemos fazer render o que Deus nos deu! Na parábola o que recebeu 5 talentos, fez render mais 5, isto é lucrou 100%. O que recebeu 2 talentos rendeu mais 2, lucrou também 100%. Ou seja, não importa se você recebeu muito ou pouco o que importa é fazer render! E esse é o sentido da vida!
O que nos aconteceu pode ser o sentido de nossa vida! Quem recebeu pouco é o mesmo de alguém que diz: eu não faço mal a ninguém. Mas só não fazer mal é muito pouco! O servo da parábola que recebeu 1 talento enterrou-o e colocou a culpa no senhor. Mas a culpa não é do senhor e sim da preguiça do servo! Um dia vamos devolver a Deus o que recebemos: a vida. Mas por enquanto temos que fazê-la render. Nossa Senhora fez render a vida dela, apesar de tudo. Temos que encontrar sentido em cada coisa que realizamos.

O tempo é um presente e passa depressa! Devo fazer render o que tenho e me preparar para o abraço com Deus, não me deixando vencer pelas decepções e com a humildade para se levantar. Todos nós e os que partiram antes de nós estamos unidos porque cada um de nós carrega o dom de ser feliz eternamente. Mas às vezes não sabemos o caminho do céu e precisamos recalcular a rota. Os santos, que são nossos modelos, nasceram, lutaram e foram para o céu (venceram!). Todo mundo nessa vida nasce, sofre e morre! Nós, que temos fé, devemos: nascer, lutar e morrer na certeza da vida eterna.


Texto baseado na pregação do Padre Milton Ferreroni, Sacerdote do Opus Dei, em 11/11/2017

The sense of life


We are envious of children, not pecause of their age but because they find meaning in life!
God has a plan for each of us just as every parent has a plan for their children and wants to see them happy. But if and so it is, why did I suffer the premature departure of my son? It's the question that does not want to shut up. Another question might answer: Why do parents send children to school? They would certainly rather stay at home and play.
That is why we must always ask: What does God want from me?
We carry in us the gift of being able to be happy because even what is missing is part of God's plans.
Do you remember the parable of the talents? Talent is a coin that equals approximately $ 2,000.00 (two thousand dollars). So even the one who received only 1 talent received a lot! Sense: we must make yield what God has given us! In the parable the one who received 5 talents, profit another 5, that is to say it profited 100%. The one who received 2 talents earned a further 2, also profited 100%. That is, it does not matter if you received a lot or little, what matters is make it yield! And that is the meaning of life!
What has happened to us can be the meaning of our lives! Who received little is the same as someone who says: I do not hurt anyone. But this is too little! The parable servant who received only one talent buried him and placed the blame on the Lord. But it is not the lord's fault but the servant's laziness! One day we will give back to God what we have received: life. But for now we have to make it work. Our Lady profied her life despite everything she went through. We have to find meaning in everything we do.

Time is a gift and pass quickly! I must render what I have and prepare myself for the embrace with God, not letting me overcome by disappointments and having humility to get up. All of us and those who left before us are united because each of us carries the gift of being happy forever. But sometimes we do not know the way to heaven and we need to recalculate the route. The saints, who are our models, were born, fought and went to heaven (they won!). Everyone in this life is born, suffers and dies! We, who have faith, must: be born, strive and die in the certainty of eternal life.

Text based on the preaching of Father Milton Ferreroni, Priest of Opus Dei, 11/11/2017


domingo, 22 de outubro de 2017

Tempo de Hoje/Today's Time

Tempo de hoje

Fico aqui vendo o tempo de hoje brigar com o de ontem
Mas que bobagem...
Amanhã o tempo de hoje será ontem
É que eu queria que o tempo de hoje fosse como o de ontem
E de tanto querer esqueço o hoje
O vento, o tempo, o espaço ...
Tudo foge de meu alcance
Tudo muda
Menos o amor...
Por isso não faz sentido querer o tempo de ontem
E Não vale à pena perder o hoje pensando em ontem
O amor é o mesmo, hoje, ontem e amanhã
Isso é o que importa o resto é perda de tempo.

Today's Time

I stand here watching the time of today fight with the time of yesterday
But what nonsense ...
Tomorrow today's time will be yesterday
It's just that I wanted today's time to be like yesterday's
And for wanting that I forget today
The wind, the time, the space ...
Everything flees beyond my reach.
Everything changes
Less love ...
So it does not make sense to want yesterday's time.
And it's not worth losing today thinking about yesterday
Love is the same today, yesterday and tomorrow.

That's what matters the rest is waste of time.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Reciclagem



Mais um aniversário com festejos em meu coração
Intimamente lhe acordo com aquela canção
Vejo seu sorriso lindo em meu pensamento
E enfrento o dia assim como você fazia
Abraço outros braços para sentir que são seus
Acredito na força da natureza e assim me reciclo
Acho que outras criações representam você
Você nasce novamente assim como as borboletas
A vida continua assim linda como sempre foi
Porque acredito que seu espírito está aqui
Bem vivo, bem presente e bom como nasceu para ser

A vida não é para o desperdício!
Recycling

Another birthday with celebrations in my heart
I intimately wake you up with that song
I see your beautiful smile in my thoughts.
And I face the day just like you did.
I embrace other arms to feel that they are yours
I believe in the strength of nature and so I recycle
I think other creations represent you
You are born again just like butterflies.
Life goes on as beautiful as it always has been
Because I believe your spirit is here.
Well alive, well present and good as born to be.

Life is not for waste!

domingo, 20 de agosto de 2017

Machucada Sou

A saudade machuca
Machucada sou
Vivo tentando um remédio
Buscando uma formula
Esperando sarar
Como remédio me dedico ao trabalho
A fórmula que encontrei é aproveitar o agora
Com quem tenho hoje
Continuo esperando a sarar
E sei que sarar não é para esse plano
Lágrimas são inevitáveis
Sorrir é sempre um bom paliativo
Cultivo novos projetos
As vezes com um uma lágrima
E um sorriso no rosto
Mas meu filho lindo está sempre em meu coração

Então, me conformo.

Injured I do live

Longing hurts
Injured I do live
I'm trying to get a medicine.
Searching for a formula
Waiting to heal
Working hard is my medicine
The formula I found is to take advantage of the now
With whom I have today
I'm still waiting to heal
And I know that healing is not for this plan.
Tears are inevitable
Smiling is always a good palliative.
I cultivate new projects
Sometimes with a tear
And a smile on my face
But my beautiful son is Always in my heart.
So, I am OK


quinta-feira, 27 de julho de 2017

Ah o tempo... oh espaço!


No tempo de criança eu morava em uma cidade tranquila
Andava de bicicleta sozinha e passeava despreocupada pelas ruas
Nossa casa parecia enorme e nossa rua era o mundo

Quando cresci começaram os desafios
Eu queria de volta aquele tempo
Tinha um novo espaço, novos amigos

Cada espaço e cada tempo tinha sua beleza
Mas muitas vezes sentia falta da despreocupação
Do tempo inocente e do espaço primeiro

Vieram as conquistas em um novo tempo e um novo mundo
E com elas, mais trabalho e responsabilidades
Mas também vieram os novos amores.
Tanta dedicação e preocupação era meu troféu
E era enorme a alegria de poder andar de tremzinho
Ensinar a andar e depois a pilotar bicicleta

Agora tenho muita saudade desse tempo
Dos parques que frequentávamos
Dos passeios que fazíamos...

Ah tempo... Oh espaço
Queria poder domar vocês
Queria misturar os dois do jeito que quisesse
Trazer de volta e em um passe de mágica desfazer
Queria naquele tempo ter a sabedoria que tenho
Queria agora não ter a bagagem de dor que carrego
Queria meu filho neste espaço, neste tempo.
Mas pensando bem me sinto privilegiada
Fui presenteada durante esse caminhar
Sinto saudade... Muita saudade...

Mas o tempo é agora e aqui.

Ah the time ... oh space!


When I was a child I lived in a quiet town
I used to ride my bike and walked untroubled by the streets.
Our house looked huge and our street was the world

When I grew up, the challenges began.
I wanted back that time
Had a new space, new friends

Each space and time had its beauty
But often I missed the lack of concern
From innocent time and space first

The achievements came in a new time and a new world
And with them, more work and responsibilities
But also came the new loves.
So much dedication and concern was my trophy
And the joy of being able to ride a train was great.
Teach to walk and then how to ride a bike

I miss this time so much
From the parks we used to go to
Of the tours we did ...

Ah time ... Oh space
I wish I could tame you
I wanted to mix the two the way I wanted
Bring back and in a magic undo pass
I wanted at that time to have the wisdom that I have now
I wanted now not to have the baggage of pain that I carry
I wanted my son in this space, at this time.
But I think I feel privileged
I was presented during this walk
I miss you... so much miss you...
But the time is now and here.


sábado, 17 de junho de 2017

O Livro Verde

O livro verde

Hoje vi depois de longos anos aquele livro.
O livro verde que meu pai insistia em me fazer ouvir e ler todas as lições de inglês. Comecei a ver o livro de uma capa dura e verde aos 10 anos após tirar uma nota bem baixa em inglês. Logo inglês, a língua que o meu pai queria tanto que eu aprendesse!
Mas aprendi. Li tantas e tantas vezes que sei de cor, ainda hoje, todos os capítulos
Muitas vezes tive raiva do livro da capa verde:
Ele me furtava de brincadeiras e de momentos alegres na calçada da Almirante Barroso e algumas vezes me impediu de assistir programas favoritos. Meu pai estava ali sempre com o livro verde ao voltar do trabalho.
Era uma espécie de ritual, ele chegava, levava a mamãe para o trabalho em uma escola onde lecionava, depois tomava banho, tomava a sopa e pegava o livro para juntos, eu e ele, ouvirmos e depois lermos.
Quando eu ia dormir, meu pai costumava colocar fones com gravações das aulas do livro para eu continuar ouvindo mesmo após adormecer. Após alguns minutos, acho, ele desligava o gravador.
Não é à toa que sei todas as lições de cor. Também não é de se admirar que eu tenha tido desde pequena facilidade de falar a língua. Aos 13 resolvi ensinar aos coleguinhas do bairro
Aulas de inglês grátis, coloquei orgulhosa na placa do lado de fora de nossa casa. Fiz da garagem nossa sala de aula que tinha boa frequência.
Aos 14 meu pai contratou um professor americano juntamente com outros dois colegas de trabalho e me levava junto para essas aulas. Mesmo assim à noite nos dias que não tinha aula ouvíamos os áudios do livro verde.
Aos 15 tentei ir aos Estados Unidos, passei em uma seleção para intercâmbio mas meus pais não permitiram, tiveram receio de me mandar e eu fiquei aqui frustrada. Afinal, pensei, todo estudo no livro verde de nada serviria.
Aos 16 conheci uma irmã americana que veio ao Brasil e de quem me tornei inseparável. Amava conversar com ela em inglês e praticar com ela o que havia aprendido no livro. Mas em pouco tempo ela só queria falar português. Afinal ela estava no Brasil e queria aprender a língua.
Para ganhar algum dinheiro por aqui ela começou a ensinar em um curso de inglês e dava aulas particulares. Em pouco tempo tinha tantos alunos que passou alguns alunos para mim.
Depois que ela voltou para os EUA eu tinha cada vez mais forte a certeza de que iria morar lá.
Fiz seleção e passei a dar aulas em curso de inglês com o propósito de poupar para a viagem tão sonhada. Juntei dinheiro, casei e viajei pelos Estados Unidos por quase dois meses, fui de norte a sul e de leste a oeste. Mas não era o bastante. Queria morar e vivenciar o que li no livro de capa verde.
Me graduei em economia e após o mestrado resolvi, estimulada mais uma vez pelo meu pai,
que eu deveria fazer doutorado nos Estados Unidos. Tentei Stanford para ficar próximo à minha irmã americana mas consegui Illinois que me havia sido indicada por amigos. Passei quatro longos anos com marido e filhos morando no Estado de Illinois.
E lá recebi, pelo menos três vezes a visita de meus pais. Voltei com o diploma de Ph.D. na mão.
Sempre achei que vencer um desafio significava alcançar a vitória. Não é! Vitória tem um sentido multidimensional.
Em algumas dimensões ganhei mas em outras, as que realmente importam, eu perdi.
Por isso o livro verde é muito importante. Ele me levou a conquistar o que tanto queria e essa conquista fez com que meus filhos conhecessem mais do que seu conteúdo. Mas principalmente, ele me remete a lições que ficaram para sempre tatuadas em minha alma e em meu coração, me remete a um tempo em que o livro da minha vida, verde em esperança, estava apenas nas primeiras páginas.
As páginas fluíram.  Conheci, amores, romances, dramas e tragédias.
Tudo ficou em mim e levo comigo, no meu pensamento, para onde eu for.
Sempre com esperança! A esperança em milagres como o que me foi concedido hoje.
Graças ao Deus do impossível!

The Green Book


Today I saw that book after many years.
The green book my father insisted on making me hear and read all English lessons. I began to see the book in a hard green cover at age 10 after taking a very low grade in English. Yes English, the language my father wanted so much for me to learn!
But I learned. I have read so many times that I know by heart, even today, all the chapters
I have often been angry with the green cover book:
He stole me from jokes and merry moments on the sidewalk of Admiral Barroso Street and sometimes prevented me from watching favorite shows. My dad was always there with the green book coming home from work.
It was a kind of ritual, as soon as he arrived home would take my mother to work in a school where she taught, then would took a shower, had soup and take the book and me and him, together, would listen and then read.
When I was already in bed to sleep, my father used to ask me to put headphones with recordings of the book's class so I could continue to listen even after falling asleep. After a few minutes, I think, he would turn the recorder off.
No wonder I know all the lessons by heart. Nor is it any wonder that I have had facility of speaking the language. At 13 I decided to teach the neighborhood students
*Free English Classes*, I placed proudly on the board outside our house. I made the garage our classroom that had good attendance.
At 14 my father hired an American teacher along with two other co-workers and took me to these classes together. At night when we did not have the english classes, we used to listen to the audios of the green book.
At 15 I tried to go to the United States, I wanted to go as na Exchange student but my parents did not allow it, they were afraid to send me and I was frustrated here. After all, I thought, all the study in the Green Book would worth nothing.
At 16 I met an American sister who came to Brazil and from whom I became inseparable. I loved talking to her in English and practice with her what I had learned in the book
But in a short time she just wanted to speak Portuguese. After all, she was in Brazil and wanted to learn the portuguese.
To earn some money here she started teaching in an English course and gave private lessons. Before long she had so many students that she gave me some students to teach.
After she returned to the US I was sure that I would live there.
I made the selection and began to teach in an English course in order to save Money for the trip so dreamed up. I saved money, got married, and traveled through the United States for almost two months, I went from north to south and from east to west. But it was not enough. I wanted to live and experience what I read in the green book.
I graduated in economics and after the master's degree I decided, stimulated once again by my father, that I should do my doctorate in the United States. I tried Stanford to stay close to my American sister but I got Illinois that I had been suggested by friends. I spent four long years with husband and children in the State of Illinois.
And there I received, at least three times, the visit of my parents. I came back with my Ph.D. degree in hands. I always thought winning a challenge meant victory. It is not! Victory has a multidimensional sense.
In some dimensions I won but in others, the ones that really matter, I lost.
That's why the Green Book is very important. He led me to conquer what I wanted and this conquest made my children know more than its content. But most importantly, the green book reminds me of lessons that have been forever tattooed on my soul and my heart, it brings me back to a time when the book of my life, green in hope, was only on the front pages.
The pages flowed. I met, loves, romances, dramas and tragedies.
Everything stayed in me and I take with me, in my thoughts, wherever I go.
Always with hope. The hope in miracles like the one I was granted today.

Thanks to the God of the impossible!

domingo, 4 de junho de 2017

Transformation



I have already discredited God
But when I saw you, I believed
You were a gift, a work of God
Thanks to you, my son, I believe
And faith makes me follow, strengthens me
Today I know that the immense God who made you
Saves us from something always worse.
Proposes us a mission
Supports and consoles us
I accept what I went through and I feel
I take and appreciate what
Life shows me
I do not reject awards
Although I know that greater Ward than

a son will never have again!

Transformação



Já desacreditei em Deus
Mas quando vi você, acreditei
Você foi um presente, uma obra de Deus
Graças a você, meu filho, acredito
E a fé me faz seguir, me fortalece
Hoje sei que o Deus imenso que fez você
Nos poupa de algo sempre pior
Nos propõe uma missão
Nos apoia e consola
Aceito o que passei e sinto
Aproveito e aprecio o que
A vida me apresenta
Não rejeito prêmios
Embora saiba que prêmio maior do
Que um filho, jamais terei!

Obs: Quem quiser participar do grupo de mães no whatsapp entre em contato comigo: Eveline (85)996607400


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Every mother is a risk lover.


Being a mother means taking risks
Risk of not being able to maintain pregnancy
Risk of dying at childbirth
Risk of having an unhealthy child ...

Being a mother is also to accept certainties
Certainties that take her out of the comfort zone
As to spend sleepless nights
Worry about diseases
Teach and care always
Even if the child does not want to

But this, all mothers already knows and accepts
The challenge is the risk
Risk of suffering
Risk of facing what was not wanted
And the biggest of them all: the risk of presencing the departure

This is indescribable
And represents the greatest pain anyone can experience.
Even so the prize of having a child is so great
That any risk compensates
To have a son or a daughther is to obtain enormous grace
So we deserve congratulations, forever

domingo, 14 de maio de 2017

Toda mãe é amante de risco



Ser mãe é assumir riscos
Risco de não conseguir manter a gravidez
Risco de morrer no parto
Risco de ter um filho não saudável...

Mãe também aceita certezas
Certezas que a tiram da zona de conforto
Como passar noites em claro
Se preocupar com doenças
Ensinar e cuidar sempre
Mesmo quanto o filho não quer

Mas isso mãe já sabe espera e aceita
O desafio é o risco
Risco de sofrer
Risco de ver o que não queria
E o maior de todos: o risco de vê-lo partir

Isso é indescritível
E representa a maior dor que alguém pode experimentar
Mesmo assim o prêmio de ter filho é tão grande
Que qualquer risco ou previsão compensa
Ter filho é obter enorme graça
Por isso estamos e estaremos sempre de parabéns




sábado, 15 de abril de 2017

Sábado de Aleluia!


Obrigada senhor pela esperança
Que virou certeza
Obrigada pelo alento e pela força
Não sabia que teria
Nada há de mais importante do que confiar em tua promessa
Que o senhor nos dê a paz sempre
Hoje são 5 anos mas a partida de nosso filho
Não se mede com o tempo
A saudade é infinita e o amor também
Por isso te agradeço tanto,
Com sua dor Você mostrou que devemos aceitar o sofrimento
Que cada um de nós tem uma missão
A nossa missão foi carregar essa saudade para sempre

E transformara dor em amor que se espalha